Connect with us

TV, Cinema e Teatro

Rambo – Até o Fim (2,0)

Portal Hortolândia

Publicado

em

Rambo – Até o Fim pode ser tudo, menos um filme de Rambo, pois se em Programado para Matar tivemos um estudo sobre os traumas dos soldados que voltavam do Vietnã sem qualquer apoio do governo, em A Missão ganhamos o primeiro exemplar do sub-gênero ‘exército de um homem só’, em Rambo III enxergamos o momento histórico onde Afeganistão e Estados Unidos eram aliados e em Rambo IV houve o retorno do brucutu, com doses cavalares de violência, aqui não há um resquício de boas lembranças.

Os trailers lançados eram empolgantes, com a suposta homenagem aos faroestes de outrora, mesclado a um clima urbano, com direito a takes onde víamos as famosas armadilhas sendo montadas pelo personagem. Porém, o diretor Adrian Grunberg (péssimo, por sinal!) lota sua obra de personagens irrelevantes e unidimensionais, além de dar a entender que na fronteira com o México só existem malvadões armados, lixo para todo lado e tráfico de drogas e de mulheres em cada esquina.

Yvette Monreal é a única no elenco que tenta algo diferente, mas com diálogos tão expositivos e um dramalhão mequetréfe, fica impossível ganhar a atenção do espectador. No terceiro ato, quando a pancadaria começa e você acha que Rambo – Até o Fim entrará nos trilhos, há mais uma saraivada de cenas aleatórias, onde apenas uma se salva.

Rambo – Até o Fim é tão genérico que ninguém estranharia se Dolph Ludgren, Steven Seagal ou mesmo o velhote Danny Trejo fosse o protagonista, pois os 86 minutos parecem se arrastar por cinco horas, transformando este, numa das piores decepções de 2019, pelo menos para mim.

Por Éder de Oliveira | Jornalista e responsável pelo site www.cinemaepipoca.com.br

Receba as principais notícias direto no seu Telegram https://t.me/portalhortolandia

TV, Cinema e Teatro

Maria e João: O Conto das Bruxas (5,0)

Portal Hortolândia

Publicado

em

Maria e João: O Conto das Bruxas é uma tentativa de recontar a clássicahistória sob a óptica da garota e o projeto havia me chamado a atençãopor dois motivos: o trailer chamativo e com uma dinâmica soturna e apresença da talentosa Sophia Lellis, que esteve no elenco de It – ACoisa. O único problema era que o diretor Oz Perkins não havia dirigidonada muito empolgante… e isso foi um fator fundamental para a falta decriatividade nestes 90 minutos.

Além disso, o roteiro insere personagens que desaparecem depois de cincominutos e que não tem a menor diferença para a trama (o primeiro ato élotado deles) e não há um clímax definido, portanto, o espectadoresperará algo “a mais” durante toda projeção e o máximo que encontraráserão cenas que jamais entregam tudo o que deveriam entregar.

A importância de Maria na vida de seu irmão pequeno é construída comlentidão quase bucólica e mesmo que a fotografia e os cenários nosremetam aos bons projetos do gênero, com ângulos mais fechados e uma ououtra tentativa de driblar os jump scares baratos, é pouco para todaexpectativa que Maria e João: O Conto das Bruxas criou.

Há uma infinidade de cenas parecidas e isso faz com que os 90 minutossejam cansativos e pouco relevantes. Ao menos o pequeno Samuel Leaveyfoi um achado e tanto e faz uma dupla excelente com Lillis. Se colocareste e João e Maria: Caçadores de Bruxas lado a lado para escolher qualassistir… é melhor torcer para que a energia acabe justamente nestemomento!

Por Éder de Oliveira | jornalista e criador do www.cinemaepipoca.com.br

Receba as principais notícias direto no seu Telegram https://t.me/portalhortolandia
Continue Lendo

TV, Cinema e Teatro

Arlequina: Aves de Rapina (7,5)

Portal Hortolândia

Publicado

em

Que a Warner/DC já errou bastante nas escolhas de seus projetos, isso ninguém duvida. Mas talvez a maior decepção tenha sido Esquadrão Suicida, onde apenas Margot Robbie como Arlqeuina conseguiu se salvar – e Will Smith não chegou a passar tanta vergonha. E era questão de tempo para que a personagem ganhasse um filme para chamar de seu. E Arlequina: Aves de Rapina (que antes era Aves de Rapina: Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa, mas com o fracasso nas bilheterias, a produtora resolveu mudar o título) não só é bom, como também diverte o espectador na maior parte dos seus 108 minutos de projeção.

Notamos que apesar de ser Cathy Yan que assina como diretora, é Robbie que tem a liberdade e dá diversos pitacos para moldar a personalidade de Harley. E mesmo que Rosie Perez, a Renée Montoya, esteja abaixo das outras integrantes do grupo, Mary Elizabeth Winstead (Caçadora), Jurnee Smollett-Bell (Canário Negro), a pequenina Ella Jay Basco e os veteranos Ewan McGregor (cafoníssimo como Máscara Negra) e Chris Messina, se divertem demais!

Muitos haviam falado sobre a quebra da 4ª parede e a semelhança com Deadpool… mas Cathy Yan utiliza a ferramenta de maneira muito mais sutil e ainda trás um figurino arrebatador e efeitos especiais caprichados (é bem verdade que a locação da batalha final é um tanto exagerada, mas a gente perdoa isso!). E aí você deve estar se perguntando também: mas e a ação, funciona? Sim! Em 95% das vezes ela funciona e capricha nas cenas em câmera lenta, só senti falta de uma fluidez maior na pancadaria dentro da prisão, onde Quinn bate nos presidiários.

A exclusão do Coringa de Jared Leto no universo é de grande valia pois ninguém levava a sério aquela personificação, a comédia e as brincadeiras visuais apresentando cada um dos inimigos, além desta visão de Gotham pelos olhos da vilã e as idas e vindas no tempo, são sacadas que elevam a qualidade deste Arlequina: Aves de Rapina. Por fim, esperamos que mesmo com as bilheterias abaixo do esperado, tenhamos uma continuação e a oportunidade de vê-las lutando juntas novamente!

Por Éder de Oliveira | Jornalista e responsável pelo site www.cinemaepipoca.com.br

Receba as principais notícias direto no seu Telegram https://t.me/portalhortolandia
Continue Lendo

TV, Cinema e Teatro

Confira os trailers de O Jovem Ahmed e Terremoto

Portal Hortolândia

Publicado

em

Saíram dois trailers muito interessantes, de filmes que chegarão em breve nos cinemas de todo país. O primeiro é o drama O Jovem Ahmed, que tem estreia marcada para 20 de fevereiro e fala sobre Ahmed, um jovem muçulmano de 13 anos que vive na Bélgica. Seguindo as palavras de um imã local, e inspirado nos passos do primo extremista, ele começa a rejeitar a autoridade da mãe e da professora. Quando se convence de que a professora é uma pecadora por ministrar um curso de árabe sem utilizar o Corão, Ahmed decide matá-la para impressionar os líderes religiosos e agradar a Alá. Depois do ato, o adolescente precisa lidar com as consequências de seu crime, e com as tentações da vida, ao encontrar o seu primeiro amor.

Confira o trailer:

Já Terremoto, é um projeto norueguês que mistura drama e muita ação, e estreará em 12 de março. Na sinopse: Em 1904, um terremoto de magnitude 5,4 na escala Richter sacudiu Oslo e arredores. O terremoto teve seu epicentro na região Oslo-Graben, atravessando a capital norueguesa. Os geólogos não podem ter certeza, mas estudos indicam que pode-se esperar para o futuro grandes terremotos nesta área. Quando eles, eventualmente, acontecerão, ninguém pode dizer com certeza. No entanto, sabe-se que a densidade populacional e a infra-estrutura em Oslo é significativamente mais vulnerável hoje do que em 1904. O que esperar se acontecer um terremoto significativamente maior?

Confira o trailer:

Por Éder de Oliveira | Jornalista e responsável pelo site www.cinemaepipoca.com.br

Receba as principais notícias direto no seu Telegram https://t.me/portalhortolandia
Continue Lendo

Noticias

Publicidade

Youtube

 

PONTE DA ESPERANÇA

Populares