Connect with us
Publicidade


Economia

Contas de luz: bandeira tarifária continuará amarela em janeiro

Portal Hortolândia

Publicado

em

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) divulgou hoje (27) que a bandeira tarifária para janeiro de 2020 continuará amarela, o que significa um custo extra de R$ 1,343 para cada 100 quilowatts-hora consumidos.

De acordo com a Aneel, “a bandeira permanece amarela em razão do baixo nível de armazenamento dos principais reservatórios do Sistema Interligado Nacional (SIN) e pelo regime de chuvas significativamente abaixo do padrão histórico”.

sistema de bandeiras tarifárias foi criado no ano de 2015 e utiliza as mesmas cores dos semáforos (verde, amarela e vermelha) para indicar se haverá ou não acréscimo no valor da energia a ser repassada ao consumidor final, em função das condições de geração de eletricidade.

No caso da bandeira amarela, a indicação é de condição intermediária de geração de energia nas usinas hidrelétricas, por causa do volume de água nos reservatórios. A previsão é de que as chuvas no primeiro mês de 2020 vão elevar gradativamente o nível de água dos principais reservatórios, mas ainda em patamares abaixo da média histórica.

A situação exige o acionamento das usinas termelétricas, movidas a petróleo e mais onerosas, “com impactos diretos na formação do preço da energia (PLD) e nos custos relacionados ao risco hidrológico (GSF)”, assinala a Aneel. Assim a tarifa terá acréscimo de R$ 0,01343 para cada quilowatt-hora (kWh) consumido em relação aos preços quando a bandeira é verde.

Janeiro é mês de verão e apresenta aumento de temperaturas, inclusive no litoral brasileiro – mais procurado no período por causa das férias escolares. O calor da temporada pode elevar o consumo de energia com o aumento do uso de equipamentos como o ar-condicionado.

Para uso desses aparelhos, a Aneel recomenda: “não deixar portas e janelas abertas em ambientes com ar condicionado; manter os filtros limpos; diminuir ao máximo o tempo de utilização do aparelho de ar condicionado; e colocar cortinas nas janelas que recebem sol direto”.

fonte ebc

Receba as principais notícias direto no seu Telegram https://t.me/portalhortolandia

Economia

Pacote de 5 kg de arroz tem variação de 71%, aponta pesquisa do Procon

Portal Hortolândia

Publicado

em

Pesquisa do Núcleo de Inteligência e Pesquisas do Procon-SP, em convênio com o Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese), revelou que o preço médio do pacote de 5 kg de arroz em fevereiro deste ano, antes de ser decretada a pandemia, custava R$ 12,78. Em outubro (valor apurado até o momento) passou para R$ 21,83, aumento de 71%.

A maior variação mensal do ano de 2020 ocorreu em setembro, 21% (tomando-se como base o mês de agosto/20). O pacote que custava R$ 16,87 em agosto passou para R$ 20,25 em setembro. A pesquisa foi realizada em 40 supermercados distribuídos nas cinco regiões do município de São Paulo e abrange 39 itens dos grupos de alimentos, higiene pessoal e limpeza doméstica.

Como o levantamento leva em consideração a média dos preços mínimos encontrados, o valor está longe da realidade constatada pelas equipes de fiscalização do Procon-SP. Em operação realizada em todo o estado para coibir preços abusivos de produtos da cesta básica, dentre eles o arroz, na capital paulista o pacote de 5kg de arroz tipo 1 chegou a ser encontrado por R$ 32,16 e no interior, R$ 36,79.

Em todo o estado, 625 estabelecimentos foram notificados por fiscais do Procon-SP a apresentar notas fiscais de compra e venda de itens da cesta básica como arroz, óleo de soja e carnes vermelhas e, caso seja identificado um aumento desproporcional nos valores, responderão a processo administrativo, podendo ser multados.

“Embora não exista tabelamento de preço é inadmissível que fornecedores queiram abusar e aumentar desproporcionalmente seus lucros em plena pandemia”, afirma o diretor executivo do Procon-SP, Fernando Capez.

Receba as principais notícias direto no seu Telegram https://t.me/portalhortolandia
Continue Lendo

Economia

6 dicas para usar o saque do auxílio emergencial para quitar dívidas

Redação

Publicado

em

Por

Especialista apresenta sugestões inteligentes para usar como destino do auxílio

Nesta quarta-feira (28), a Caixa vai liberar o último pagamento do auxílio emergencial do Ciclo 3 para os nascidos em outubro. Trata-se da 6ª parcela para alguns beneficiários. O recurso pode ser uma excelente oportunidade para quitar ou renegociar dívidas pendentes. De acordo com Luiz Henrique Garcia, CEO da QuiteJá, plataforma de recuperação de crédito, “a situação econômica do país ainda é delicada, porém, muitas pessoas estão renegociando dívidas. Se bem usado, esse auxílio pode descomplicar a vida financeira”, esclarece. O executivo listou abaixo seis dicas que podem ajudar você a identificar de maneira inteligente o melhor destino para o benefício.

1 – Coloque as dívidas em dia: A primeira coisa que você deve fazer é quitar as contas e frear os juros crescentes. O saque é uma excelente oportunidade de pagar as dívidas e ainda obter descontos. Dependendo do valor da pendência, talvez você consiga pagá-la à vista, o que costuma gerar um bom abatimento no saldo devedor. Caso o dinheiro seja insuficiente, priorize as dívidas mais urgentes. Para identificá-las, leve em consideração os juros de cada uma.

2 – Invista na sua carreira: A renda inesperada pode ajudar a se profissionalizar na carreira. O investimento pode não trazer rendimentos previstos como a bolsa de valores, mas garante uma melhor colocação dentro do mercado de trabalho. As consequências disso são a conquista de um bom emprego, salário e estabilidade de vida.

3 – Repense as suas contas: Se existe alguma pendência com cheque especial ou cartão de crédito, por exemplo, você pode aproveitar os juros baixos do empréstimo pessoal. Planeje-se. Os bancos estão mais flexíveis nesse período de pandemia da Convid-19. Aproveite o prazo estendido que as instituições têm oferecido e reorganize o ranking das suas contas – das mais essenciais para as menos necessária.

4 – Reorganize a vida financeira: Se você está desempregado, esse dinheiro do FGTS Emergencial pode ser bastante útil para ajudar você a colocar em prática algumas ideias que possibilitem ganhar dinheiro extra com pouco investimento. Após isso, aproveite as ofertas que os grandes bancos estão oferecendo e reorganize o ranking da suas contas – das mais essenciais para as menos necessária.

5 – Faça uma reserva de emergência: Mesmo que seja um valor bem pequeno do seu FGTS, é super válido começar a ter o hábito de guardar parte do seu dinheiro para que tenha uma reserva de emergência enxuta e, assim, não precisar enfrentar momentos muito difíceis. Um planejamento financeiro mensal e uma reserva financeira são importantes para ajudar nos momentos mais “apertados”.

6 – Compre apenas o essencial: Esse dinheiro deve ser direcionado para as situações de emergência. Portanto, só compre aquilo que realmente esteja precisando. Para evitar comprar por impulso, pergunte-se antes: “Eu preciso? Eu consigo pagar?”.

Receba as principais notícias direto no seu Telegram https://t.me/portalhortolandia
Continue Lendo

Brasil

Caixa Econômica Federal libera saque do auxílio de R$ 600

Redação

Publicado

em

Por

A Caixa Econômica Federal libera nesta terça-feira (27) o segundo ciclo de pagamentos do auxílio emergencial de R$ 600 para aniversariantes de dezembro que não são do Bolsa Família. Esse dinheiro havia sido depositado na poupança digital em 30 de setembro e pode ser de qualquer uma das cinco primeiras parcelas, dependendo da data em que a pessoa teve o cadastro aprovado.

Também hoje, a Caixa libera o saque da segunda parcela do auxílio residual, de R$ 300, para inscritos no Bolsa Família que tem o NIS (Número de Identificação Social) terminado em 7.

A parcela liberada hoje para o público geral faz parte do ciclo 2 e depende de quando o cadastro foi aprovado, de acordo com o seguinte critério:

1ª parcela: quem se cadastrou com ajuda de funcionários dos Correios entre 8 de junho e 2 de julho
1ª parcela: quem foi aprovado depois de contestar o cadastro entre 3 de julho e 16 de agosto
2ª parcela: quem teve o cadastro aprovado em julho
2ª parcela: quem foi aprovado depois de contestar o cadastro entre 24 de abril e 19 de junho
3ª parcela: quem começou a receber o auxílio entre o final de junho e o começo de julho
4ª parcela: quem começou a receber o auxílio em maio
5ª parcela: quem começou a receber o auxílio em abril

Receba as principais notícias direto no seu Telegram https://t.me/portalhortolandia
Continue Lendo

Populares